Publicações e Notícias

VEJA O PERFIL DOS COTADOS PARA ASSUMIR O CARGO DE MINISTRO DA SAUDE

de de

Na última sexta-feira (15), em entrevista coletiva, Nelson Teich anunciou sua saída do cargo de comando do Ministério da Saúde. O ato de exoneração, foi publicado em edição extra do Diário Oficial da União (DOU) no dia 16 de maio. Teich tomou posse como ministro no dia 17 de abril, substituindo Luiz Henrique Mandetta, portanto, tendo ficado menos de trinta dias no ministério.

Uma ampla lista de nomes vem sendo avaliada pela Presidência da República, que indica não possuir pressa em nomear um sucessor para Teich. O presidente Jair Bolsonaro ressaltou que não pretende fazer uma escolha rápida que possa ter o mesmo desfecho da anterior. A ideia é que ele dedique os próximos dias a encontros e reuniões com nomes para a pasta, podendo deixar a escolha para o final do mês. No momento, o secretário-executivo da Saúde, Eduardo Pazuello, assume o cargo interinamente.

Os requisitos de escolha e nomeação são os mesmos: a defesa tanto do uso da cloroquina na fase inicial da doença como da flexibilização do isolamento social. Estes foram pontos de pressão entre o presidente e os ex-ministros.

Foram citados nomes como do diretor de Saúde da Marinha, o contra-almirante Luiz Fróes ou, inclusive, a efetivação de Pazuello, pois seria de confiança e tem disposição de encampar o que o presidente prega para o combate à pandemia do coronavírus. Contudo, a possibilidade gerou resistências tanto entre os comandantes das Forças Armadas, como entre integrantes da cúpula do Palácio do Planalto. Caso Bolsonaro escolhesse um militar da ativa, caso de Pazuello e Fróes, passaria a imagem de que são as Forças e não o governo que lidera o enfrentamento ao coronavírus. Além disso, há o receio de que a escolha de um militar possa prejudicar a imagem da corporação caso a gestão não seja bem-sucedida.

Ainda, entre as opções mais comentadas por pessoas próximas ao presidente Jair Bolsonaro, está o psiquiatra carioca Ítalo Marsilli, que esteve ontem (18) em Brasília para se reunir com o chefe do Executivo. Marsili é considerado uma espécie de guru de alguns integrantes do governo, tem 34 anos e conta com o apoio do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL/SP).

Também são cogitados nomes como da médica oncologista Nise Yamaguchi e do deputado Osmar Terra (MDB/RS), considerando que ambos apoiam as ideias defendidas pelo presidente, o uso da cloroquina no tratamento da Covid-19 e o fim do isolamento social.

Destacamos o perfil dos principais nomes que estão sendo cotados para assumir a pasta da saúde:

Eduardo Pazuello

Atual secretário-executivo do Ministério da Saúde, está assumindo interinamente a pasta e é apontado como favorito para nomeação do presidente. Antes de assumir o cargo executivo no Ministério, Pazuello foi comandante da 12ª Região Militar da Amazônia e conhecido nacionalmente por ter coordenado a Operação Acolhida, que cuidava da entrada de refugiados venezuelanos em Roraima. O comandante assumiu o cargo de secretário-executivo na equipe montada por Nelson Teich, a pedido de Bolsonaro, com o objetivo de comandar as operações de logística do ministério.

Luiz Fróes

Ocupando o cargo de vice-almirante da Marinha, Luiz Fróes é médico, com MBA em Gestão da Saúde e diretor de Saúde da Marinha desde maio de 2019. Anteriormente, foi diretor do Hospital Naval Marcílio Dias, no Rio de Janeiro, e diretor médico do Hospital das Forças Armadas. De 2015 a 2017, foi diretor do Departamento de Saúde e Assistência Social do Ministério da Defesa.

Nise Yamaguchi

A médica oncologista e imunologista, Nise Yamaguchi, está entre os nomes cotados para assumir o cargo de comando do Ministério da Saúde. A médica se formou em medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e completou residência no Hospital das Clínicas Durante seus estudos, realizou cursos na Alemanha e Suíça sobre a visão humanística do paciente e seus familiares, bem como participou de treinamentos em Nova Iorque e estudou aspectos da imunologia de tumores no Memorial Kettering Cancer Center. A médica faz parte do gabinete de crise para lidar com a pandemia e chegou a ter reuniões com o presidente Jair Bolsonaro.

Osmar Terra

O deputado Osmar Terra (MDB/RS) é médico formado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Exerce, atualmente, o sexto mandato de deputado federal e foi ministro do Desenvolvimento Social, no governo Michel Temer, onde foi responsável pela criação e implementação do Programa Criança Feliz, de atenção à primeira infância. Osmar Terra foi ministro da Cidadania no atual governo de Jair Bolsonaro, onde permaneceu até 14 de fevereiro, quando foi substituído pelo atual ministro, Onyx Lorenzoni.

Ítalo Marsili

O nome do psiquiatra carioca Ítalo Marsili circulou entre os apoiadores do presidente Jair Bolsonaro depois que o médico afirmou em suas redes sociais que está disponível para assumir o cargo. Marsili é um aluno devotado do escritor Olavo de Carvalho, tem 34 anos e mais de um milhão de seguidores no Instagram, além de contar com o apoio do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL/SP). Nesta segunda-feira (18), o psiquiatra viajou a Brasília para conversar com o presidente, com quem já se reuniu em agosto do ano passado. Marsili é formado em medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e, apesar de exercer a psiquiatria, não possui registro de qualificação de especialista (RQE). Ítalo esteve em Brasília conversando pessoalmente com Bolsonaro, conforme ele mesmo confirmou em suas redes sociais.

Embora sejam diversos nomes citados como possíveis nomeações ao cargo, até o presente momento, não houve uma manifestação oficial do Governo Federal acerca do novo nome para assumir o Ministério da Saúde.

Permanecemos a disposição para demais esclarecimentos.

AGF Advice Consultoria Legislativa, Tributária e Empresarial

Compartilhe: